Estudantes do Zimbábue protestam contra corte de bolsas na Argélia

Jovens estão há 15 meses sem receber a contribuição do governo de Zimbábue para manter graduação em solo argelino

U
m grupo de 40 jovens do Zimbábue que estudam na Argélia realizou recentemente um protesto em frente à Embaixada de seu país na cidade de Argel, denunciando que há 15 meses não recebem a contribuição mensal da bolsa de estudos. Alguns deles, por este motivo, foram expulsos do Campus Universitário onde estavam alojados. Mas, ao invés de recebê-los, os funcionários da embaixada chamaram a polícia argelina. Houve um confronto com as forças de ordem e uma estudante precisou ser levada ao hospital, por conta de ferimentos.

“Quando a polícia nos fez entrar em seus ônibus, logo pensamos que nos levariam a Tamanrasset”, contou um estudante de 24 anos que está há três anos na Argélia. “Pecado que não somos malianos (de Mali) nem burquinenses (de Burkina Faso) e o Zimbábue está a mais de 10 mil quilômetros de distância da fronteira argelina! Tivemos muito medo, pois os militares chegaram com os cassetetes já empunhados. Por sorte, nos levaram à estação de ônibus e até compraram os bilhetes para que voltássemos para casa”, disse.

Os estudantes estão na Argélia com bolsa regular de estudo por conta de um programa do governo de Zimbábue. O país africano, no entanto, vive uma fase delicada de transição depois da prisão, em  15 de novembro, do presidente Robert Mugabe, que esteve no poder por mais de 40 anos. A renúncia oficial ocorreu no dia 21 de novembro.

Sem dinheiro, sem casa e sem emprego

Após serem despejados do campus universitário, estudantes ficaram ao relento

O problema é que as condições do visto acordado em Argélia aos estudantes do Zimbábue impedem que eles trabalhem para se sustentar. “Não temos escolha e alguns de nós agora estão trabalhando nos canteiros de obra da construção civil, como operários, outras como domésticas, pois nestes setores não é solicitado o visto de trabalho”, disse um representante dos estudantes ao portal online New Zimbabwe.

“No último ano e meio tiveram de se esforçar para sobreviverem”, afirmou uma fonte local da revista italiana Mondo e Missione, “e desta situação de insegurança as maiores vítimas foram as garotas, algumas das quais se aventuraram na prostituição”.

Depois do despejo e de dois dias acampados diante da embaixada, alguns estudantes fizeram um apelo ao novo presidente interino do Zimbábue, Emerson Mnangagwa, pedindo-lhe que interrompa o programa de estudos no exterior e conceda bolsas nas faculdades do Zimbábue.

 

Com informações da revista Mondo e Missione

Adicionar Comentário

Seu endereço de e-mail está seguro conosco. Campos obrigatórios são marcados com *

Telefone: (11) 5549-7295
Fax: (11) 5549-7257
Rua Joaquim Távora, 686
04015-011 Vila Mariana, São Paulo - SP