Chile e Peru: viagem do papa é marcada por causas indígenas

Povo originário: mapuches, no Chile, reivindicam terras e direitos (Foto: Divulgação)

Com Sínodo Pan-Amazônico convocado para o ano que vem, Francisco quis conhecer de perto as reivindicações da população que habita na região

 

O
papa Francisco desembarcou no Chile nesta segunda-feira (15) e seguiu na quinta-feira (18) para o Peru, onde ficou até domingo (21). Entre outros objetivos, a passagem do pontífice pelos dois países visou abrir caminhos para o Sínodo Pan-Amazônico, convocado para acontecer em outubro do ano que vem, em Roma. Na ocasião, a Igreja católica se reunirá para identificar novos caminhos para a evangelização na região amazônica, bem como o que pode ser feito para proteger e apoiar as populações indígenas que nela habitam.

No Chile, Francisco teve um encontro em Temuco com pessoas comuns e representantes da comunidade de Araucania, terra historicamente reivindicada pelos mapuches, povo originário que declarou guerra aos invasores espanhóis desde o século XVI, e o conflito, hoje com o governo, permanece aberto.

Já a chegada do papa a Puerto Maldonado, no Peru, foi seu primeiro “encontro direto” com a Amazônia, ocasião em que representantes indígenas falaram pessoalmente com Francisco. “Os indígenas amazônicos trazem um pedido, uma forte evocação, pois suas terras ancestrais são cada vez mais invadidas. Seus territórios naturais e seus antepassados são cada vez mais exíguos. Os meios de sustento com os quais sobreviveram durante tantos séculos, a pesca, a caça, as árvores, os rios estão cada vez mais em perigo. Portanto, suas vidas estão em perigo”, afirmou o padre Manuel Jesús Romero, porta-voz do vicariato apostólico de Puerto Maldonado, em entrevista publicada recentemente pela Repam, rede eclesial que reúne ordens, congregações e movimentos engajados na defesa da floresta amazônica.

Preocupação com a Casa Comum

Na manhã de terça-feira (16), no primeiro discurso ao chegar ao Chile, diante de autoridades e representantes do governo, Francisco convocou a todos a exercitar a capacidade de escuta, abrindo maiores possibilidades de diálogo, em especial sobre às ameaças ao meio ambiente.

“É necessário promover uma cultura que saiba cuidar da terra, não nos contentando em oferecer respostas pontuais aos graves problemas ecológicos e ambientais que se apresentem”, pontuou Francisco, que fez questão de enfatizar a sabedoria dos povos nativos nessa questão. “Deles, podemos aprender que não existe verdadeiro desenvolvimento num povo que volta as costas à terra com tudo e todos os que nela se movem. O Chile possui, nas suas raízes, uma sabedoria capaz de ajudar a transcender a concepção meramente consumista da existência para adquirir uma atitude sapiencial em relação ao futuro”, declarou o papa.

Resistência 
Veja como foi o encontro do papa Francisco com milhares de indígenas em Puerto Maldonado, ocasião em que os encorajou à resistência diante dos desafios atuais:

 

Adicionar Comentário

Seu endereço de e-mail está seguro conosco. Campos obrigatórios são marcados com *

Telefone: (11) 5549-7295
Fax: (11) 5549-7257
Rua Joaquim Távora, 686
04015-011 Vila Mariana, São Paulo - SP