Testemunho missionário: “Pertenço a dois países”

Conheça um pouco mais sobre a missão que a coordenadora da Infância e Adolescência Missionária da Arquidiocese de Londrina-PR, Lúcia Martinoti, realizou na Guiné-Bissau

 

M
inha experiência missionária começou com um convite da equipe do Jump (composta pelos missionários do PIME, Xaverianos, Xaverianas e Missionárias da Imaculada). Ao participar dos encontros do Jump, o meu ardor missionário se intensificou e aprendi que é preciso ir além do que se faz nas comunidades. A missão é sair de nós mesmos e ir ao encontro daqueles que mais precisam. Às vezes, digo que o que sou neste mundo e o que faço não é suficiente para me preencher. Aí entendi que não precisa ter muito para dar, mas é preciso correr atrás dos nossos sonhos e traçar uma meta. Foi o que fiz: sonhei, tracei e concretizei. A África, para mim, era um sonho de muitos anos, mas sempre achei que não seria possível. Agora digo que tudo é possível, desde que corramos atrás, e digo mais: como valeu a pena!

Na Guiné-Bissau aprendi que a missão é doar a vida pelos outros. Este é, sem dúvida, um conceito impressionante de generosidade e amor gratuito. Quem não quer ganhar um Nobel da Paz com uma história comovente de sacrifício da própria vida na construção de um mundo melhor? Acontece que, depois que fiz a experiência, sou obrigada a discordar desse clichê: é muito mais vida que se ganha do que se dá. Desde que cheguei à Guiné, particularmente na cidade de Bafatá, tenho aprendido que a verdadeira missão não é uma doação. Quando você doa algo, deixa de ter aquilo. Mas quando você se doa é diferente. No meu caso, não canso de ganhar os numerosos presentes que este tempo é capaz de conceder, que é a alegria das lembranças e as amizades entrelaçadas entre nós. Agora me sinto pertencente a dois países. Hoje tenho consciência de que cada um deles é, na verdade, um pedaço de vida que se soma a uma única vida. A missão reforça a certeza que um mundo melhor se constrói quando somos capazes de compreender com compaixão e empatia a cultura, a religião, os costumes, as opções e contextos sociais, políticos e históricos de um povo.

Sentimentos

Quando cheguei à Guiné-Bissau, segurar uma criança no colo era a coisa mais fofa de se fazer. No início, toda a nossa comunicação se resumia em olhares e toques na minha pele branca e no meu cabelo amarelo, com aquele olhar desconfiado, querendo dizer algo, e isto me deixava mais emocionada. Perguntava a mim mesma de que forma eu poderia ajudá-las. E a resposta vinha através de sorrisos lindos e contagiantes. Meu português era difícil para as crianças, tanto quanto a língua delas, o crioulo, para mim. O melhor lugar do mundo é onde somos capazes de ser amantes e amados. Ousemos sempre amar.

Publicado no Jornal Missão Jovem de Maio de 2018

Adicionar Comentário

Seu endereço de e-mail está seguro conosco. Campos obrigatórios são marcados com *

Telefone: (11) 5549-7295
Fax: (11) 5549-7257
Rua Joaquim Távora, 686
04015-011 Vila Mariana, São Paulo - SP