top of page

Bíblia da Criança “Deus fala a seus filhos” é entregue aos indígenas Sateré

A Nação Sateré Mawé, na Área Indígena da região do Andirá/Marau, agora tem a oportunidade de ler em sua língua materna as principais narrações bíblicas do Antigo e Novo Testamento.


No dia 16 de dezembro, o silencioso best-seller “Deus fala a seus filhos – Textos bíblicos”, ou simplesmente, Bíblia da Criança, foi entregue aos indígenas Sateré Mawé.


Fotos: João Carlos Moraes

A cerimônia de lançamento do livro aconteceu na Escola Indígena São Pedro (EISP). Mais de 1 mil exemplares foram distribuídos para 27 comunidades presentes. (Conceição, Livramento, Santo Antônio, Cajual, Curuatuba, Fortaleza, Paraíso, Terra Preta, Boa Vista, Santa Cruz, Sebastião, Santa Maria, Campo, Cucuí, Vista Alegre, São Marcos, Marapatá, Torrado, Ponta Alta, Ipiranga, Limoal, São Gabriel, Nova America, Sagrado Coração de Jesus, Umirituba, Monte Moriá, Santa Fé e São José).


A tradução contou com a colaboração dos catequistas indígenas da região do Andirá e Marau (Honorato Lopes Trindade, Zenilton José da Silva, Atacil Trindade de Freitas, Idecivaldo dos Santos) e dos padres Henrique Uggé e Orivaldo da Costa.


O evento contou, ainda, com a presença do superior geral do Pontifício Instituto das Missões Exteriores (Pime) no Brasil, padre Joseph Koudiaou, padre Henrique Uggé, do Pime; e do pároco da Paróquia Nossa Senhora do Bom Socorro, de Barreirinha, padre Irineu Neubaner.


Padre Henrique Uggé fala que a motivação da tradução do português para o sateré vem do desejo dos próprios indígenas. “Cada um de nós gosta de ouvir, de ler e de meditar a Palavra de Deus no próprio idioma, na própria história cultural e, também, ministerial da liturgia. Vai ser muito útil para o povo”, disse.


De acordo com o indígena Honorato Lopes Trindade, da comunidade Santa Vitória, um dos tradutores, analisa que o povo sateré está perdendo a originalidade do idioma. “Nós estamos perdendo a nossa língua, mas é muito bom que a gente a sustente. Várias palavras que vão se encontrar aqui, que não é falado, vai ser preciso pesquisar”, declarou.

Outro colaborador na tradução do livro é o indígena Dercival Santos Batista, morador da comunidade São Bonifácio do Rio Marau, que ressalta a importância da obra para a formação das novas gerações de indígenas. “Através desse livro os nossos filhos, nossos jovens, possam conhecer mais o caminho correto. É de importância, também, para o nosso entendimento da Palavra de Deus”.


O livro “Deus fala a seus filhos – Textos bíblicos” se torna mais uma contribuição da Igreja Católica para a valorização da cultura e evangelização dos povos, e um importante documento de preservação e registro da língua sateré mawé.


Agora, o próximo passo é disponibilizar a “bíblia da capa vermelha” em áudio, é o desejo do missionário Padre Henrique Uggé. “Nós vamos preparar uma gravação para fazer um aplicativo com todas as páginas deste livro, que vai ficar disponível para o celular e outros meios de comunicação”.


A Bíblia da Criança foi publicada pela primeira vez em 1979, pela Fundação Pontifícias ACN, siglas em inglês para “Ajuda à Igreja que Sofre”. O livro já foi traduzido para mais de 190 línguas e com mais de 51 milhões de exemplares distribuídos e, aqui no Brasil, mais de 10 milhões de exemplares foram publicados em português, além de tiragens em Guarani, Tukano, Ticuna e Macuxi. Para alguns povos, a Bíblia da Criança foi o primeiro livro impresso em seu próprio idioma.



Os professores do EISP, cada um, também receberam um exemplar do livro.


Por João Carlos Moraes - Rádio Alvorada



bottom of page