Condenação internacional dos ataques à liberdade da Igreja na Nicarágua

Membros do clero da Diocese de Matagalpa, Nicarágua, apelam para que "as autoridades do país respeitem a liberdade de expressão e religião". Algumas organizações internacionais como a União Europeia, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos e o Escritório do Relator Especial para a Liberdade de Expressão se uniram aos padres nicaraguenses em seu pedido.


Créd. Vatican Media - Dom Rolando José com o Santíssimo Sacramento

Em vista dos acontecimentos dos últimos dias, "expressamos nossa amizade, solidariedade, proximidade e comunhão ao nosso pastor dom Rolando José Álvarez Lagos, bispo da Diocese de Matagalpa", escrevem os membros do clero da diocese de Matagalpa, Nicarágua, em uma declaração divulgada através de redes sociais, na qual "exortam as autoridades do país a respeitar a liberdade de expressão e religião em nosso país"; os sacerdotes também pedem "o fim da perseguição à Igreja" e convidam o povo de Deus a continuar rezando pela Igreja, pelos sacerdotes e pela Nicarágua.


A polícia sitia a casa do bispo de Matagalpa

Foi fechada a emissora Rádio Hermanos na diocese de Matagalpa em 1º de agosto pelos funcionários do Instituto Nicaraguense de Telecomunicações e dos Correios da Nicarágua, que argumentaram que desde 20 de janeiro de 2003 a estação não possui as licenças necessárias para prestar este serviço. Por sua vez, a Igreja informou que durante uma reunião com o presidente executivo da TELCOR, o bispo dom Rolando José Álvarez havia apresentado pessoalmente a documentação necessária em 7 de junho de 2016. Em 5 de agosto, "agentes especiais da polícia nicaraguense impediram o bispo de Matagalpa, dom Rolando José Álvarez, de deixar seu próprio quarto para celebrar a missa", informou a agência AGI/EFE, observando que "a medida tinha sido justificada pelo fato de que as autoridades católicas na Nicarágua estão engajadas em uma verdadeira cruzada de sermões contra o governo, que nas últimas semanas fechou várias estações de rádio e agências relacionadas com o mundo católico".


UE condena "fechamento arbitrário" de estações de rádio católicas

A União Europeia (UE) condenou na quinta-feira o fechamento "arbitrário" das estações de rádio e disse que era "mais uma violação da liberdade de expressão e da liberdade de religião ou crença". "A União Europeia condena o fechamento arbitrário de sete estações de rádio católicas pelas autoridades nicaraguenses em 1º de agosto, e de duas outras estações de rádio e televisão comunitárias pouco tempo depois", disse a UE em uma declaração divulgada por seu escritório em Manágua.


Estações de rádio fechadas na Nicarágua

As estações fechadas são Rádio Hermanos, Rádio Nuestra Señora de Lourdes, Rádio Nuestra Señora de Fátima, Rádio Alliens, Rádio Monte Carmelo, Rádio San José, Rádio Católica de Sébaco e Rádio Santa Lucía, que são administradas pela Diocese de Matagalpa (norte). As licenças da estação de rádio privada Rádio Vos, uma estação de rádio comunitária e feminista do departamento (província) de Matagalpa, também foram tiradas do ar, e o canal de televisão RB 3 "El Canal de la Zona Láctea", na mesma localidade, foi fechado, de acordo com a Telcor, porque não tinha sua autorização para operar.


Créd. Vatican Media - Polícia nicaraguense impde saída de casa do bispo de Matagalpa, Nicarágua

Ataques à liberdade da Igreja na Nicarágua

A Nicarágua vem passando por uma crise política e social desde abril de 2018, que se acentuou após as controversas eleições de novembro passado, nas quais Daniel Ortega foi reeleito para um quinto mandato, quarto consecutivo e segundo com sua esposa, Rosario Murillo, como vice-presidente, com seus principais adversários na prisão. Há algum tempo, o regime de Ortega tem tomado medidas repressivas contra a Igreja na Nicarágua, considerada como não alinhada com o poder. De acordo com a Agência Fides, estas incluem o seguinte: o fechamento do canal de televisão da Conferência Episcopal; a retirada da benevolência (agrément) do arcebispo Waldemar Stanislaw Sommertag, núncio apostólico em Manágua desde 2018, e sua saída do país; dom Leonardo Urbina, pároco de Perpetuo Socorro em Boaco, foi preso por uma suposta queixa de abuso sexual; o padre Manuel Salvador García, pároco de Nandaime, foi preso sob a acusação de expor as pessoas ao perigo e por suposta agressão a uma mulher; 101 ONGs, incluindo a associação "Missionárias da Caridade", tiveram seu status legal revogado, e as Irmãs de Madre Teresa tiveram que deixar o país; dom Rolando Álvarez, bispo da diocese de Matagalpa e administrador apostólico de Estelí, assim como o padre Harvy Padilla, pároco de San Juan Bautista na cidade de Masaya, "vivem num clima de ansiedade por sua segurança pessoal e pela impossibilidade de exercer seu direito de viver e celebrar sua fé em um clima de paz e liberdade".


A decisão do governo do presidente Daniel Ortega, através do Instituto Nicaraguense de Telecomunicações e Correios (Telcor), de fechar oito estações de rádio católicas, em meio a fricções entre o Executivo e a Igreja Católica, "constitui outra violação da liberdade de expressão e da liberdade de religião ou crença", continuou a UE, após advertir que "a força policial excessiva foi usada para ocupar as instalações e para intimidar e dispersar manifestantes desarmados com gás lacrimogêneo e disparos".


Violência sem precedentes

A UE lembrou que "desde 2018, o governo nicaraguense desencadeou níveis de violência sem precedentes contra seu próprio povo, recorrendo a assassinatos, desaparecimentos forçados, prisão, assédio e intimidação contra opositores políticos, jornalistas, defensores dos direitos humanos, religiosos e outros líderes". Neste sentido, a UE exortou as autoridades nicaraguenses a cessar "toda a repressão e restaurar o pleno respeito de todos os direitos humanos", e fez um "apelo urgente ao governo nicaraguense para que liberte imediata e incondicionalmente todos os presos políticos e anule todos os processos judiciais contra eles, inclusive suas condenações".


A CIDH condena o "fechamento arbitrário" de estações de rádio católicas

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) e o Escritório do Relator Especial para a Liberdade de Expressão (RELE) condenaram na quarta-feira "o fechamento arbitrário" de sete estações de rádio católicas na Nicarágua, bem como a entrada violenta da polícia em uma paróquia, de acordo com a agência de notícias EFE. Em um tuíte emitido por este órgão autônomo da OEA, eles disseram: "#IACHR e @RELE_CIDH condenam o fechamento arbitrário de sete estações de rádio católicas na diocese de Matagalpa, na Nicarágua; e a entrada violenta da polícia na capela Niño Jesús de Praga em 1º de agosto, de onde supostamente levaram equipamentos de rádio e televisão". A CIDH e a RELE conclamaram o Estado nicaraguense "a cessar os constantes ataques contra a Igreja Católica" e "a abster-se de usar seus poderes de telecomunicações como medida para limitar ou impedir a circulação de informações, ideias e opiniões".


Os Estados Unidos criticam o "ataque brutal" de Ortega

Por sua vez, o principal funcionário do Departamento de Estado dos EUA para a América Latina, Brian Nichols, disse em um tuíte que "o ataque brutal de Ortega-Murillo ao clero católico, às instalações radiofônicas e aos membros da comunidade em (o município de) Sébaco é outro golpe às liberdades de religião e expressão na Nicarágua". Ele também lembrou que a polícia nicaraguense entrou à força na paróquia Divina Misericórdia na segunda-feira à noite a fim de apreender os equipamentos de uma das oito estações de rádio católicas fechadas pelas autoridades. Os policiais haviam ocupado a paróquia e dentro de um quarto estava o padre Uriel Vallejos, que segundo o Centro Nicaraguense de Direitos Humanos (Cenidh) não estava bem de saúde.


Por Vatican News