top of page

Etiópia: a vida vem dos poços de água

Padre Filippo Perin, 52 anos, é missionário na região de Gambela, fronteira com o Sudão do Sul. Uma terra de grande beleza onde, no entanto, há falta de água, as pessoas passam fome e o clima é tórrido. Seu projeto, apoiado pelos salesianos e pela ONG “Cuore Amico”, é abrir o maior número possível de poços de água para garantir a sobrevivência em um país onde a expectativa média de vida é inferior a 50 anos

Padre Filippo Perin, pároco de Lare, com as crianças e os jovens do vilarejo
Padre Filippo Perin, pároco de Lare, com as crianças e os jovens do vilarejo - Fotos: Reprodução Vaican Media

Em algumas partes do mundo, marcadas por longos períodos de secas e carestias, as pessoas chegam ao ponto de se matar por uma lata de água potável ou o acesso a um riacho. Irmão contra irmão: é a guerra da fome e da sede que muitas vezes é travada com as próprias mãos. Isso acontece também na Etiópia, na região de Gambela, uma das mais remotas e pobres do país africano, onde o missionário, padre Filippo Perin, pároco de Lare, vive e trabalha desde 2008, junto com a numerosa família salesiana, que chegou aqui depois do Jubileu de 2000. A região de Gambela reúne vários grupos étnicos diferentes e, há cerca de dez anos, também abriga muitos sul-sudaneses em oito campos de refugiados. “Apenas 14% da população tem acesso à água potável", conta padre Filippo, "portanto, não é incomum que ocorram confrontos sangrentos entre as aldeias por causa do seu uso. É por isso que uma das primeiras coisas que sentimos a urgência de fazer foi levantar fundos para cavar poços. Os custos, no entanto, são altos. Só para trazer a máquina de escavação para essa área quase intransitável e isolada são necessários três mil euros, e o custo do trabalho de escavação também é caro, mas isso salva a vida das pessoas". Com o apoio da Igreja, da fundação Cuore Amico Fraternità Onlus e de muitos privados, atualmente já foram construídos 100 poços na região de Gambela e a intenção é ir em frente para fazer com que mais e mais pessoas vivam, porque sem água não há vida.



O sonho (desiludido) da África

"Quando fui ordenado padre, senti imediatamente o desejo de partir para a missão. Por um tempo, trabalhei em uma escola em Mogliano Veneto, perto de Treviso, e com os jovens fizemos viagens e acampamentos de verão em países pobres. Senti que meu lugar era lá, onde deixei meu coração e meus pensamentos, portanto, após um período de negociação com meus superiores, recebi permissão de partir para a África. À primeira vista, a África era exatamente como eu sempre havia imaginado. As florestas, a savana, os belos animais, os leões, as gazelas, as girafas, os crocodilos, e esses vilarejos de cabanas, com suas estradas empoeiradas, o calor tórrido e sufocante e os sorrisos das crianças que não têm nada, mas vivem animadas com tudo, parecia um sonho para mim... Depois, morando aqui, também toquei com minhas próprias mãos o sofrimento, os aspectos críticos dessa bela terra. Basta pensar que a expectativa de vida aqui está abaixo dos 50 anos. Há falta de alimentos, as pessoas fazem apenas uma refeição por dia, não há hospitais e os postos de saúde locais distribuem apenas dois medicamentos: paracetamol e amoxicilina, um antibiótico de amplo espectro para vários tipos de infecções, nada mais. Jovens e crianças adoecem e morrem de doenças que são curáveis em outras partes do mundo. Não há escolas, a educação não é nem mesmo uma prioridade para os governos, portanto, essa importante tarefa muitas vezes é confiada à Igreja ou a ONGs que procuram fazer da melhor maneira possível. As crianças não têm livros ou cadernos para escrever, mas muita vontade de aprender. Sem mencionar a situação climática: de dezembro a junho, as temperaturas ficam acima de 40-45 graus e não chove, portanto, a agricultura é muito prejudicada”. 


Toda vez que a água jorra de um poço, é uma festa para toda a aldeia
Toda vez que a água jorra de um poço, é uma festa para toda a aldeia

O vilarejo faz festa

Em 16 anos, padre Filippo abriu novas paróquias, agora Gambela é uma diocese, explica, e, acima de tudo, conseguiu arrecadar dinheiro para escavar 30 poços. “Há alguns anos", continua, "conseguimos encontrar uma empresa que fornece os meios para a escavação. A máquina de escavação chega precisamente durante os meses secos, quando não chove, e pode chegar aos vilarejos com facilidade, caso contrário, durante a estação das chuvas, tudo fica inundado, as estradas não são transitáveis. Os técnicos fazem uma inspeção, localizam o lençol freático e veem a profundidade da água, baixam um cano e, se o local for bom, constroem a base de concreto e a bomba para trazer a água à superfície. Quando sai a primeira água, o vilarejo inteiro comemora. Logo chegam as mulheres para encher os recipientes, alguns bebem, outros tomam banho, brincam com a água com alegria, outros dançam, todos ficam em volta do poço por horas e percebem o grande presente que receberam!". Porém, infelizmente os suprimentos são limitados, sempre há o risco de a água acabar e, então", explica padre Filippo, "é importante garantir que o poço tenha uma boa manutenção. Os habitantes são instruídos sobre o uso correto da manivela, mas muitas vezes ela quebra e temos que chamar a empresa novamente para tentar consertá-la, mas isso envolve outras despesas, outro dinheiro".


Na Etiópia, geralmente as mulheres são encarregadas de coletar água em galões que depois transportam por quilômetros
Na Etiópia, geralmente as mulheres são encarregadas de coletar água em galões que depois transportam por quilômetros

Evangelizar com obras concretas

A principal fonte de subsistência no vilarejo de Lare, como em outras partes da Etiópia, é a agricultura, principalmente o cultivo de milho, e das espigas é feita a farinha para fazer polenta, que é o principal alimento; outra atividade econômica é a criação de gado, especialmente vacas e ovelhas, para leite e carne, mas sem água é difícil manter os rebanhos vivos; por fim, há pequenos negócios com artesanato e roupas costuradas por mulheres locais, mas certamente não garantem uma grande fonte de renda. Além disso, é possível entender por que a educação não é incentivada nesse contexto de extrema pobreza: os jovens geralmente ajudam suas famílias no cultivo, precisam trabalhar para viver e não podem se dar ao luxo de estudar. "Nesta terra", continua padre Filippo, "ouvimos constantemente o apelo do Papa para cuidar da Casa Comum e de seus habitantes. Como salesianos, nossa missão não pode e não deve ser apenas levar as pessoas à igreja. É claro que evangelizar é fundamental, partir o Pão com toda a aldeia, mas aqui se evangeliza com as obras e Jesus nos diz para dar de beber a quem tem sede e de comer a quem tem fome. Antes de fazer a catequese, as pessoas me pedem para abrir um poço, porque a água aumenta a perspectiva de vida. É por isso que fazemos de tudo, inclusive com o projeto do poço, para garantir um mínimo de bem-estar. Sobreviver! Essa é a palavra-chave em Lare e em toda a Etiópia, não podemos virar o rosto e cair na indiferença! E se não pudermos dar vida, podemos pelo menos garantir a sobrevivência fazendo tudo o que estiver ao nosso alcance: beber água limpa ou lavar as mãos primeiro, depois também trabalhar pela paz e pelo respeito à enorme biodiversidade".


Viver, não apenas sobreviver

Padre Filippo Perin termina sua entrevista com uma história dolorosa: "Em fevereiro, que foi um dos meses mais quentes que já vivenciei desde que estou aqui, passamos os dias contando os mortos, e nenhum jornal noticiou isso; pessoas de vários grupos étnicos entraram em conflito e se mataramm pelo controle da água, dos poços; vinganças familiares são frequentemente realizadas, e eu sempre digo aos fiéis: vocês não podem lutar pela sobrevivência, conseguir sobreviver ao clima tórrido, à fome e depois ‘matarem-se’ uns aos outros por ódio ou vingança. Portanto, a Laudato si' e, mais ainda, a Laudate Deum nos exortam a trabalhar pela concórdia e pela fraternidade neste lugar perdido, onde falta tudo, mas também há um profundo desejo de mudar as coisas e de poder viver, não apenas sobreviver".


Por Vatican News

 

Obrigado por ter lido este artigo. Se quiser se manter atualizado sobre Mundo, Igreja e Missão, assine a nossa newsletter clicando aqui



Comments


bottom of page