top of page

Irmã Neloumta: tentem entender a África, como faz o Papa

O país enfrenta o difícil desafio de continuar explorando a floresta, seus imensos recursos, protegendo a biodiversidade e o crescimento econômico da população. Isso foi discutido na capital Libreville na cúpula "Uma floresta" com o presidente francês Macron e outros chefes de estado. A provincial das Irmãs de Caridade de Santa Joana Antide de Thouret fala de um país mergulhado em uma crise social que acaba desorientando os jovens, alvos fáceis das seitas

Fotos: Irmãs de Caridade de Santa Joana Antide de Thouret

A floresta como oportunidade e risco, como recurso e armadilha. O Gabão, no centro-oeste da África, é um dos seis países da bacia do rio Congo com um território coberto em 88% pelo que é considerado um dos maiores pulmões verdes do planeta, tanto que bem na capital Libreville, a cúpula One Forest foi realizada no início de março, sob o patrocínio do presidente francês Macron, que também visitou outros quatro estados da África Central e Austral. A esperança é que o que surgiu possa garantir coerência com a advertência do Papa que há um mês e meio, da África, lançou um apelo ao mundo para que não saqueie o continente. Em resumo, questiona-se quanto espaço de autonomia e crescimento resta ao nível local face a um colonialismo que almeja recuar definitivamente mas que, de fato, mostra que não consegue tirar os pés, dificultando a libertação total.


Acabou o Françáfrica? “A era da Françáfrica acabou, a França é agora um parceiro neutro no continente”, disse Macron ao chegar a Libreville. Na verdade, após a saída das tropas de além dos alpes da República Centro-Africana, Mali e Burkina Faso, alguns milhares de homens ainda estão ancorados no continente. Até o momento, a França tem presença militar na África, com quatro bases permanentes (no Senegal, Costa do Marfim, Gabão e Djibuti) e destaca tropas para operações específicas no Nigér e no Chade. O desejo no Gabão é que possa ficar de pé com as próprias pernas - e é bem conhecido o quão fortes são os apetites chineses e russos aqui - embora essas pernas sejam reconhecidas por terem mais de uma fragilidade.

Investir em florestas "Não há melhor investimento hoje do que investir em nossas florestas", disse o presidente Ali Bongo Ondimba na cúpula internacional sobre a conservação das florestas tropicais, que desempenham um papel vital no sistema climático global e na prevenção do surgimento de novas epidemias. A cimeira, que contou com a presença de chefes de Estado da América Latina e do Sudeste Asiático, demonstrou que a proteção das florestas e o desenvolvimento econômico dos países das zonas em causa não se opõem, que é possível preservar a biodiversidade e apoiar economicamente populações locais. Na verdade, aqui as ameaças vão da caça furtiva ao desmatamento para as indústrias de petróleo, palma e borracha, da extração ilegal de madeira à mineração.

Religiosa entre jovens do Gabão

Como incentivo, foi constituído um empréstimo inicial de cem milhões de euros, metade dos quais será fornecido pela França. Entre os compromissos do governo do Gabão, que já é um país 'virtuoso' com emissões de CO2 inferiores às absorvidas, está a proteção de espécies raras, como a árvore Kevazingo no Parque Pongara, cuja madeira é procurada e muito cara. No entanto, os recursos internacionais alocados para proteger os ambientes equatoriais permanecem muito baixos. E, sobretudo, não parecem desencadear um desenvolvimento igualmente virtuoso de todos os segmentos da população. Afinal, é justamente a forte desigualdade econômica que está sempre aberta na maior parte do continente. Também está convencida Ir. Paola Neloumta, provincial das Irmãs da Caridade de Santa Joana Antide de Thouret:


Desigualdades sociais e econômicas A separação entre ricos e pobres é muito grande”, explica a religiosa. “Por exemplo, na escola a nossa irmã procura ajudar os jovens fazendo-os compreender que é preciso lutar, encontrar outra solução para a pobreza, não desistir”. Irmã Paola acredita que há vinte anos o Gabão poderia ser considerado um dos países africanos mais desenvolvidos "mas ultimamente tem havido uma crise muito forte". Fala de um país que não é acessível em suas áreas internas, quase todo ocupado pela floresta, aliás, “o governo não fez as estradas, é difícil entrar”. De fato, a população concentra-se no litoral, onde reside a pequena comunidade de irmãs. A missão aqui nasceu em 2001: a primeira comunidade foi em uma lagoa onde nenhuma outra congregação queria ir, depois a transferência para Port Gentil, capital da província de Ogooué-Maritime, onde é administrada uma escola paroquial, se cuida do serviço aos pobres na Caritas paroquial, e se ensina em uma escola católica.

A força das mulheres e a solidariedade entre os pobres “A retirada dos franceses enfraqueceu o país”, observa a religiosa. “Não estávamos preparados para enfrentar o vazio, e agora há chineses, até alguns espanhóis. Cada um tenta pegar o que precisa para si, sem olhar para a população local”, lamenta. "Por enquanto, o Gabão não pode seguir sozinho. A pobreza chegou de forma violenta. Para mim seria necessário um governo que se preocupasse com o bem do povo, além de qualquer corrupção com o exterior", ressalta. Suas palavras deixam transparecer não tanto uma forma de nostalgia, mas um reconhecimento da falta de crescimento social em paralelo com o desaparecimento dos principais estrangeiros. A Irmã Paola nos fala do Chade, onde fica sua sede provincial, “onde a situação é muito pior que a do Gabão também devido à instabilidade política”. Ela recorda os trágicos acontecimentos de outubro do ano passado com a inundação devastadora e as manifestações duramente reprimidas pela transição chadiana com centenas de vítimas. Mas está confiante:

"Apesar de todo esse mal, pensamos que Deus não nos abandona". E sublinha como "a força está nas mulheres e na solidariedade entre os pobres. Por exemplo, os que perderam as suas casas nas cheias foram os primeiros a ir à igreja para divulgar a oferta de acolhimento às famílias desalojadas. Os jovens organizaram-se juntos para reorganizar as casas danificadas, a fim de encontrar um teto".

Encontro com jovens do Gabão

O dano das seitas: jovens abandonados às ruas “A Irmã que vai à escola também trabalha na pastoral juvenil. Há também uma crise nas famílias, causa de tanta violência, as famílias estão destruídas”, explica Irmã Neloumta.

“Uma Irmã trabalha com animação e catequese. Outra na Caritas administra o que consegue arrecadar para os pobres, vai às casas e tenta curar os doentes. Há tanto o que fazer, somos poucas”. Da sua história essencial, mas concreta, revela-se também um fenômeno muito desafiante: "já faz alguns anos que observamos um fenômeno novo: muitos jovens enlouquecem e vivem nas ruas . É um choque ver as pessoas literalmente perdendo a cabeça. As religiosas com os leigos tentam fazer alguma coisa, mas é difícil, parece ser o sinal de que há algo errado no país”. A Irmã Paola refere-se à presença de seitas, que “apoderam-se sobretudo dos jovens, seduzem-nos”. Fala de um estado de desorientação que seria alimentado justamente por grupos que manipulam a consciência dos indivíduos com graves prejuízos de desestabilização social.

Traços de tráfico humano

São situações muito delicadas a que se acrescentam os vestígios do tráfico que “deixou uma grande ferida e também provocou ódio interno entre os que vivem no litoral e os que vivem no interior”. A esse respeito, a religiosa explica que as pessoas a serem escravizadas foram retiradas do interior do país por aqueles que conseguiram se tornar 'amigos' de traficantes de pessoas. E no que diz respeito às migrações que envolvem esta região, "no momento não aumentou a emigração para a Europa - especifica - mais tudo continua no êxodo rural. Ainda existe o mito de uma Europa onde se estuda melhor, mas só se podem permitir aqueles que pertencem a famílias ricas."

"O Papa entendeu a África, faça o mesmo. É bom para nós" A memória da presença do Papa em terras tão próximas como a República Democrática do Congo é muito viva:

"Toda a África, especialmente a África subsaariana, sentiu-se próxima do Papa - afirma - sentimos que é alguém que nos compreende. Agora sabemos com mais clareza que nossos recursos nos prejudicam, é um paradoxo. Quando ele disse 'Tirem as mãos da África', foi como se essa frase tivesse nos libertado de alguém, como se nos desse forças para erguer a cabeça, nos sentimos acolhidos. É verdade que fomos nós que o acolhemos, mas foi ele quem na verdade nos acolheu. Vemos que ele tem uma grande atenção pela Igreja na África e isso nos faz muito bem. Devemos continuar a dar um testemunho de Cristo aqui, nós consagrados, padres e bispos. Precisamos também nos purificar um pouco e isso nos faz muito bem”. O apelo que mais uma vez ressoa é para “tentar conhecer África, para dizer uma palavra de consolo. Isso faz-nos muito bem”, repete. “Vejo que quando alguém tenta entender, os nossos meios não contam tudo, na verdade, vemos que não estamos sozinhos”.

Por Antonella Palermo - Cidade do Vaticano


Comments


bottom of page