Seminaristas do PIME organizam vigília de oração

Em vigília de oração. seminaristas do PIME se solidarizam com a população birmanesa, em meio à pandemia, enfrenta a crise política há mais de um ano.


O seminário teológico internacional do PIME em Monza, na Itália, em colaboração com a comunidade pastoral “Casa di Betania” (paróquias de Agrate Brianza, Caponago e Omate) organizou uma vigília de oração pelo Mianmar. O evento aconteceu no dia 15 de fevereiro na igreja paroquial de Sant´Eusebio, em Agrate Brianza, cidade natal do bem-aventurado Clemente Vismara, missionário do PIME na Birmânia, hoje Mianmar.


Seminaristas em solidariedade

A vigília foi conduzida pelos seminaristas e formadores da comunidade do seminário através de preces. O recolhimento em oração teve por objetivo conscientizar as pessoas para não esquecer os acontecimentos após o golpe militar de fevereiro de 2021. O país asiático convive com a crise política e a pandemia em raros enfoques das grandes mídias. Durante a vigília, uma religiosa birmanesa deu o seu testemunho:


"Quando ouvimos as balas caírem em nosso telhado e quebrarem as janelas, sabíamos que não poderíamos escapar. Todos nós nos escondemos em um quarto, debaixo das camas. O tiroteio durou o dia todo e mais forte à tarde. Os idosos ficaram apavorados e as crianças choravam. Não sabíamos o que fazer. Choramos e rezamos muito para superar o barulho dos tiros. Uma menina me perguntou em meio às lágrimas: “Irmã, talvez tenhamos que morrer aqui esta noite?”. Abracei-a, assegurando-lhe que ninguém morreria porque o Senhor nos protegeria e Nossa Senhora estava cuidando de nós. Era uma noite terrível e nos entregamos ao Senhor".

Ajuda concreta

Além da vigília, o PIME na Itália lançou uma campanha emergencial para ajudar a população do Mianmar. No Brasil, Mundo e Missão lançara, em setembro de 2021, a campanha “Alimentos para Mianmar” e arrecadou R$ 49.600,00, valor enviado na íntegra à ONG do PIME New Humanity O dinheiro foi utilizado para amenizar as necessidades básicas (arroz, feijão, óleo, ovos e leite em pó, além de remédios) de famílias e aldeias em estado de emergência.