top of page

Sudão do Sul: passo a passo, as mulheres do Evangelho constroem a paz

Passou mais de um ano desde a peregrinação ecumênica do Papa Francisco em fevereiro de 2023 ao Sudão do Sul, devastado pela guerra. O processo de cura e reconciliação após anos de traumas ainda está em curso, e as religiosas desempenham um papel importante nesse processo.


As mulheres do mercado de Masia recebem novas bicicletas da Organização do Grupo de Apoio à Adeesa (Mulheres) (ASGO)

O Sudão do Sul é uma nação muito jovem: nasceu após décadas de guerra civil. Quando o tratado de paz foi assinado em janeiro de 2005, a guerra tinha deixado cerca de 5 milhões de deslocados internos e 2,5 milhões de mortos, com um legado de profunda desconfiança entre grupos étnicos rivais.


Em janeiro de 2011, realizou-se o referendo histórico sobre a independência do Sul, apesar dos crescentes desafios. Mas quando a República do Sudão do Sul nasceu, a 9 de julho, entre gritos de alegria, as feridas da desconfiança e do medo estavam longe de serem saradas.

As religiosas que trabalharam na nova nação estavam conscientes do que poderia ser um retrocesso e foram fundamentais na promoção de iniciativas de paz.


Sinais de esperança em meio a feridas profundas

Desde 2010, o Catholic Health Training Institute (CHTI) em Wau tem vindo a promover o diálogo intercultural e a ajudar os estudantes - homens e mulheres - a ultrapassar preconceitos profundamente enraizados.


Este instituto foi iniciado pela Solidarity with South Sudan, uma iniciativa conjunta de religiosos e religiosas que desenvolveram uma formação residencial para professores e enfermeiros, com ênfase na segurança alimentar, na formação pastoral e no tratamento de traumas. A primeira cerimónia de graduação teve lugar em 2013 e, em 2022, 181 enfermeiras graduadas e 87 parteiras já tinham deixado o Instituto.


A Irmã Brygida Maniurka, missionária franciscana de Maria da Polónia, trabalha no CHTI desde fevereiro de 2022. «Os nossos estudantes vêm de diferentes tribos, estados e religiões e falam línguas diferentes. O CHTI realça constantemente o respeito por todas as culturas e a tolerância em relação ao que é diferente. Com a ajuda de atividades e exercícios de diferentes tipos, conseguimos criar laços de amizade e promover a paz e a unidade. Para além da enfermagem e da obstetrícia, os nossos estudantes aprendem a arte de construir relações e de trabalhar em conjunto», diz a Irmã Brygida.


Irmã Filomena Francis com participantes do laboratório de cura de traumas em Nzara, em 2018

Acrescenta que acompanhar os alunos no seu caminho de crescimento requer muitas horas de diálogo, é verdade, «mas que alegria quando, ao fim de três anos, vemos quanto eles mudaram!». «E a nossa alegria é ainda maior quando recebemos elogios das comunidades de origem destes jovens e das instituições em que trabalham», continua a Irmã Brygida.


Quando a dor se torna cura

Em Yambio, a iniciativa que dá especial atenção às mulheres que sofreram traumas.A Irmã Filomena Francis - a quem aqui chamam Irmã Bakhita - é originária de Nzara, uma pequena cidade da Equatoria Ocidental; antes vivia em Cartum, onde havia cerca de cinco milhões de sul-sudaneses deslocados à espera de chegar ao Egito e às Irmãs Franciscanas Missionárias da Imaculada Conceição de Maria (MFIC).

Antes de partir para a Papua-Nova Guiné, em 1995, a Irmã Filomena pôde visitar a sua família no atual Sudão do Sul. Nessa altura, a área tinha sido conquistada pelo Exército Popular de Libertação do Sudão (SPLA) e a Irmã Filomena encontrou a sua família e irmãs em boas condições. Em 1999, porém, a violência sexual e os abusos perpetrados pelos soldados tinham tornado a sua vida miserável.


O drama vivido pela família da Irmã Filomena inspirou-a a iniciar um programa de aconselhamento e de cura de traumas, que se concretizou em 2006 com a Adeesa (Women) Support Group Organization (ASGO) [Organização do Grupo de Apoio às mulheres] iniciada em conjunto com duas outras mulheres.Em 2013, abriu uma comunidade das Irmãs Franciscanas Missionárias na Diocese Católica de Tambura Yambio e a Irmã Filomena começou a formar mulheres e homens locais para que participassem ativamente no programa de cura.


A Irmã Brygida Maniurka com os alunos do Instituto Católico de Formação em Saúde em Wau, em 2023

«O meu trauma pessoal, aquele que me atingiu em criança, levou-me a iniciar este projeto. A dor e as perdas que eu e a minha família ainda recordamos dão-me força para trabalhar neste programa», diz a Irmã Filomena. «Estou convencida de que uma abordagem holística da cura de traumas no Sudão do Sul pode levar a uma paz sustentável e salvar a vida de muitas mulheres, moças e até homens que foram violados para punir a sua etnia», conclui a Irmã Filomena.

Por Irmã Paola Moggi


 

Obrigado por ter lido este artigo. Se quiser se manter atualizado sobre Mundo, Igreja e Missão, assine a nossa newsletter clicando aqui



Comentarios


bottom of page