top of page

Cúpula da Amazônia: agenda comum de cooperação

A Cúpula da Amazônia, evento que reúne chefes de Estado de países amazônicos para discutir iniciativas para o desenvolvimento sustentável na região, teve início na terça-feira, 8 e segue até essa quarta-feira, 9 de agosto, data em que se celebra o dia internacional dos povos indígenas. Além do presidente do Brasil, a cidade de Belém, no Pará, recebeu os presidentes da Bolívia, Colômbia, Guiana, do Peru, Venezuela, Equador e Suriname.

Fotos: Reprodução da internet

Um dos objetivos da Cúpula da Amazônia é fortalecer a Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA), organização internacional sediada em Brasília, no Distrito Federal. Os oito países amazônicos assinaram o Tratado, em 03 de julho de 1978, com o objetivo de promover o desenvolvimento harmônico dos territórios amazônicos, de maneira que as ações conjuntas gerem resultados equitativos e mutuamente benéficos para alcançar o desenvolvimento sustentável da região Amazônica.


A Cúpula teve início após a realização dos Diálogos Amazônicos, evento que aconteceu entre os dias 4 e 6 de agosto e reuniu representantes de entidades, movimentos sociais, academia, centros de pesquisa e agências governamentais do Brasil e demais países amazônicos com o objetivo de formular sugestões para a reconstrução de políticas públicas sustentáveis para a região. O resultado dos debates foi apresentado na forma de propostas aos chefes de Estado durante a Cúpula.


Declaração de Belém

Na Cúpula foi assinada, pelos presidentes dos países amazônicos, a Declaração de Belém, documento que consolida a agenda comum entre os oito países signatários do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA) para a região. No texto, os países combinam os esforços de seus governos, no mais alto nível, para fazer avançar uma nova agenda comum de cooperação na Amazônia.


Na Declaração de Belém os países se comprometem a implementar sob a “égide do desenvolvimento sustentável, da conservação e do uso sustentável da biodiversidade, das florestas e da água, da ação urgente para evitar o ponto de não retorno na Amazônia, do combate ao desmatamento e às atividades ilegais na região, do desenvolvimento econômico com inclusão social e geração de renda e emprego, com base em mecanismos de participação social, em especial dos povos indígenas e comunidades locais e tradicionais, e do fortalecimento da OTCA”.


Simultaneamente à Cúpula, organizações e movimentos sociais e indígenas movimentaram cerca de 400 eventos paralelos, em que debateram e apresentaram as demandas dos povos aos ministros e representantes do governo brasileiro e de outros países. As atividades, realizadas entre os dias 4 e 9 de agosto, também preparam a Conferência Global do Clima (COP), em novembro, em Dubai.



Papa Francisco saudou participantes da Cúpula

Ao saudar e abençoar os peregrinos de língua portuguesa na Audiência Geral desta quarta-feira, 9 de agosto, no Vaticano, o Papa Francisco dirigiu sua oração a Cúpula da Amazônia:

“Queridos peregrinos de língua portuguesa, abraço-vos a todos e de coração vos abençoo a vós e às vossas famílias. Que Nossa Senhora vos acompanhe e sempre vos proteja. Aproveito esta ocasião para enviar uma saudação particular aos Presidentes dos países da região amazônica que, nestes dias, estão reunidos em Belém do Pará, no Brasil. Asseguro a minha oração pelo bom êxito do seu encontro, desejando que se renove o compromisso de todos em prol da criação e dum progresso sustentável.”, disse o Papa na Audiência Geral no Vaticano.

Por CNBB


Commenti


bottom of page