Depois de expulsas da Nicarágua, Missionárias da Caridade chegam à Costa Rica

Depois de 30 anos no país, as Missionárias da Caridade foram expulsas da Nicararágua - além de outras ONGs declaradas ilegais -, supostamente por não estarem devidamente credenciadas nos órgãos competentes para exercer suas atividades e por violarem a "legislação em vigor sobre lavagem de dinheiro, financiamento ao terrorismo e armas de destruição em massa.”


Missionárias da Caridade reunidas após uma Missa celebrada pelo bispo local em Coronado em 07 de julho - Foto: REUTERS/Mayela Lopes

As Missionárias da Caridade de Madre Teresa de Calcutá chegaram na Costa Rica no final da tarde de quarta-feira, 6, sendo acolhidas de braços abertos pelo bispo da Diocese de Tilarán-Libéria, Dom Manuel Eugenio Salazar Mora. As missionárias viajaram até Penãs Blancas em um micro-ônibus escoltado pela Polícia e por agentes da Imigração.


“Bem-vindas Irmãs da Caridade de Madre Teresa de Calcutá – escreveu em seu perfil no facebook o prelado costarriquenho -. É uma honra para nossa Diocese de Tilarán - Liberia que pisem nestas terras. Rezamos pela Igreja na Nicarágua, por seus bispos, sacerdotes, religiosas e religiosos. Irmãs sejam bem-vindas a estas terras, nossa Diocese está de portas abertas para recebê-las, obrigado pelo seu exemplo, entrega e serviço aos mais pobres entre os pobres. Santa Madre Teresa de Calcutá, continue intercedendo pelas suas intenções. Viva Cristo Rei!”

A saída das Missionárias da Caridade da Nicarágua ocorre uma semana depois de o governo do presidente Daniel Ortega ter tornado ilegais cerca de 100 ONGs, em decisão ratificada pelo Parlamento, incluindo a Associação Missionárias da Caridade, acusada de não estar devidamente credenciada para funcionar como asilo de idosos ou centro de desenvolvimento infantil e de “violar a legislação em vigor sobre lavagem de dinheiro, financiamento ao terrorismo e armas de destruição em massa.”


As 18 religiosas de Madre Teresa, de diferentes nacionalidades, foram expulsas da Nicarágua após terem servido a população local por mais de 30 anos. A sede da organização religiosa, localizada em Manágua, foi tomada pela polícia nicaraguense, segundo o jornal local La Imprensa.


"Diante da decisão da Assembleia Nacional de cancelar a personalidade jurídica da fundação das Irmãs Missionárias da Caridade de Santa Teresa de Calcutá, que ofereciam assistência aos mais pobres de nossa sociedade nicaraguense, lamentamos profundamente a dor de muitos de nossos irmãos que não terão mais a atenção que recebiam das Irmãs”, escreveu o arcebispo de Manágua, cardeal Leopoldo Brenes, em uma nota em 4 de julho.

Paradoxalmente, a Associação Missionárias da Caridade foi fundada na Nicarágua em 16 de agosto de 1988, dois anos após a visita de Madre Teresa de Calcutá ao país, durante o primeiro mandato presidencial de Daniel Ortega (1985-1990). Naquele momento, Ortega ofereceu seu apoio para que a Ordem religiosa fosse estabelecida e se encontrou com Madre Teresa de Calcutá, ganhadora do Prêmio Nobel da Paz em 1979 e canonizada pelo Papa Francisco em 4 de setembro de 2016.


Por Jackson Erpen – Cidade do Vaticano