top of page

Duas rodas de solidariedade para a Ucrânia

Trazer de volta sorrisos aos refugiados ucranianos e a todas as pessoas ao redor do mundo forçadas a abandonar seus lares para fugir da guerra, da fome, da perseguição e dos desastres naturais causados pelas mudanças climáticas. Esse é o objetivo da Fundação "Riding the Rainbow" que nasceu em Luxemburgo após a explosão do conflito na Ucrânia. Uma iniciativa de economia circular inspirada na Laudato si' para dar nova vida a bicicletas, artigos esportivos, instrumentos musicais e livros usados

Fotos: Vatican Media

Era um garoto que, como eu, amava os Beatles e os Rolling Stones, diz o verso de uma canção muito conhecida que ainda soa nos ouvidos de todos com a voz de Gianni Morandi. Na época, a guerra em questão era a Guerra do Vietnã e hoje, ainda tristemente em destaque no cenário mundial, há o conflito entre a Rússia e a Ucrânia, e a história é mais ou menos assim: Era um garoto que, como muitos, amava futebol e a Liga dos Campeões... Ele também viajava pelo mundo como o protagonista da música de 1966, mas um dia foi obrigado a deixar tudo para trás, passando dos verdes e ricos campos de futebol para os cinzentos e pobres campos de refugiados.



"Daniel, de 16 anos, tinha chegado recentemente a Luxemburgo com sua família e estava morando em uma das áreas criadas para receber refugiados. Na Ucrânia, ele jogava em um dos times mais fortes, o Shakhtar Donetsk, mas quando começaram os bombardeios, ele fugiu levando apenas a roupa do corpo. Deus quis que em nossa garagem houvesse um par de chuteiras do tamanho dele que pertencia ao meu filho, também jogador de futebol em um clube de Luxemburgo. Ele as calçou, experimentou-as com dois dribles e, de repente, o sorriso de esperança apareceu em seu rosto. Uma alegria imensa para ele e para nós, nascida de um pequeno gesto".

Essa história nos foi contada por Emanuele Santi, fundador da Riding the Rainbow e presidente da associação Afrilanthropy, que em março de 2022 deu início a uma iniciativa tão simples quanto extraordinária: reformar bicicletas e equipamentos esportivos usados, mas em bom estado, para beneficiar os refugiados ucranianos.


A força da solidariedade

Emanuele, 46 anos, italiano residente em Luxemburgo, explica ao Vatican News e ao L'Osservatore Romano como surgiu a ideia quase por acaso: "Foi um dos meus dois filhos que quis doar sua bicicleta primeiro, e eu decidi disponibilizar nossa garagem como ponto de coleta: uma espécie de loja de solidariedade onde a moeda é o sorriso de alguém que perdeu tudo e depois voltou a pedalar, escalar montanhas, jogar basquete, tocar violão e praticar esportes". Em resumo, outras cinco garagens de cidadãos comuns se tornaram um espaço para doar objetos e receber histórias e relatos, onde várias pessoas trouxeram suas bicicletas usadas ou sentiram a necessidade de comprar novas bicicletas com a única intenção de doá-las.

Com a crescente demanda de doadores e refugiados em todo o país, a rede de voluntários, unida sob a ONG filantrópica Afrilanthropy, percebeu que ter apenas um ou alguns pontos de coleta estava limitando a capacidade de atender às necessidades de todos. Graças ao apoio dos voluntários e ao suporte financeiro de duas fundações locais (a Oeuvre Nationale de Secours Grande-Duchesse Charlotte e a André Losch Foundation), foi desenvolvido um aplicativo (que pode ser baixado na Apple Store, no Google Play e no site da associação) para facilitar o intercâmbio entre doadores e beneficiários que moram nas proximidades.



O aplicativo para fazer doações em qualquer lugar do mundo

O conceito que anima o Riding the Rainbow, que recentemente participou do “Villaggio dela Terra”, realizado na Villa Borghese, no coração de Roma, certamente não é o de esvaziar garagem ou a mera caridade, mas sim a "cultura do cuidado" tão cara ao Papa Francisco. Há o desejo de encontro, de conhecimento do outro, de mãos estendidas para o próximo que se torna irmão e amigo e, é claro, há os grandes temas expressos na Laudato si', como a economia circular, a reciclagem de materiais, a solidariedade, a conexão humana e ambiental, a ecologia integral que respeita a natureza e o homem como duas partes do todo. “Já estamos em muitos países", continua Santi, "por isso o aplicativo é fundamental para estabelecer contato entre o doador e o beneficiário, e tudo com total segurança, pois para a troca de bicicletas ou equipamentos esportivos em geral, e também instrumentos musicais e carrinhos de bebê para crianças, não é necessário fornecer um endereço residencial, mas apenas um endereço aproximado, encontrando-se em um bar ou ponto de ônibus, e mesmo quando não há possibilidade de um encontro físico, a tecnologia ainda nos ajuda a fazer o bem e a criar amizades virtuais. Além de facilitar a integração social, o aplicativo também proporcionou oportunidades de emprego: o projeto contratou vários refugiados e fez parceria com uma empresa ucraniana em Lviv para desenvolver o aplicativo Riding the Rainbow.


Os números da iniciativa Quase 1.300 usuários do aplicativo, 12 países envolvidos na iniciativa, mais de 700 crianças felizes: esses são os números da Riding The Rainbow, mas - afirma Santi - "Por trás de cada número há um rosto, há a história de um objeto precioso, que era importante para uma criança e que agora está recebendo uma nova vida. Cada número representa um jovem refugiado que está encontrando um novo começo em sua comunidade de acolhida graças também à atividade esportiva como canal de comunicação e integração”. O objetivo é ampliar e expandir a solidariedade para que qualquer pessoa, mesmo um simples cidadão como Emanuele, possa se tornar um motor e um promotor de generosidade.


"Ter uma bicicleta ou um patinete novamente dá a esses jovens um vínculo com a vida que deixaram para trás", conclui Emanuele Santi, enquanto continua a nos contar casos e testemunhos desses meses. Um deles, acima de tudo, está ligado ao nome da associação: "Tínhamos acabado de iniciar essa atividade de solidariedade quando uma mãe ucraniana se aproximou de nós e, muito timidamente, disse que a bicicleta doada a seus filhos tinha sido uma luz de arco-íris em seus olhos".

Por Cecilia Seppia – Vatican News





댓글


bottom of page