top of page

Irmãs lideram a revolução da crise climática

As religiosas querem desempenhar um papel concreto na proteção das pessoas e comunidades afetadas pela crise climática e pela perda da biodiversidade. Uma série de "diálogos liderados por Irmãs" está reunindo as Irmãs e atores internacionais na esperança de impulsionar um movimento que ajudará a desencadear uma transformação global de palavras em ações.


Equipe de trabalho do encontro "Diálogo liderado pelas Irmãs" na sede da UISG (União Internacional das Superioras Maiores), em Roma - Fotos: Vatican Media

As Religiosas da União Internacional de Superioras Gerais (UISG) estão reunidas, em um momento de desenvolver ideias e compromissos para proteger e salvaguardar o planeta, de acordo com a encíclica Laudato sì do Papa Francisco e as Metas de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

O primeiro de uma série de diálogos liderados pelas Irmãs aconteceu em Roma na última segunda-feira, 17 de abril, para desafiar organizações internacionais, governos, sociedade civil, instituições do Vaticano e a Academia sobre três temas: integrar respostas à mudança climática e à perda da biodiversidade; integrar o cuidado com as pessoas e com nosso planeta; integrar a vulnerabilidade na liderança.

Os encontros, organizados pela iniciativa UISG Sisters Advocating Globally, tem parceria com o Global Solidarity Fund e culminarão no primeiro Fórum de Defesa da UISG, a ser realizado em Roma, em novembro de 2023.


A Irmã Maamalifar Poreku, Irmã Missionária de Nossa Senhora da África, Secretária Co-Executiva do Escritório de Justiça, Paz e Integridade da Criação da UISG e Coordenadora do projeto "Semeando Esperança para o Planeta", fala sobre por que ela acredita que as irmãs estão em condições de fazer a diferença em um cenário mundial onde as promessas da mudança climática são constantemente desconsideradas e pessoas e países vulneráveis são cada vez mais ameaçados e atingidos.

Quando questionada sobre o que ela pensa que as irmãs podem trazer à conversa de alto nível, ela ressaltou a conexão entre a fé e a proteção da criação, apontando como as religiosas têm os escritos e o exemplo do Papa Francisco para inspirá-las e impulsioná-las para onde apenas os corajosos ousam ir...

Ir. Maamalifar explicou que o projeto Semeando Esperança para o Planeta é um dos resultados da encíclica do Papa Francisco sobre os cuidados com nossa casa comum, pois estimulou as irmãs a refletir sobre como poderiam aceitar seu desafio e lhes deu uma abertura para "fazer algo a respeito de nosso ambiente para que todos possam encontrar seu lugar e cada criatura também possa encontrar seu lugar".

"Não se trata apenas de seres humanos, porque o ser humano e as outras criaturas estão interligados", disse ela destacando como o que afeta um afeta o outro, e semear esperança para o planeta significa realmente trazer esperança para todas as pessoas e para nosso lar comum.

“E o que afeta as outras criaturas também afeta os seres humanos”
"A ideia é ver como capacitar as irmãs de base a serem pró-ativas na contribuição para a recuperação da biodiversidade e também para provocar a mudança em nosso clima no sentido positivo, porque no momento a mudança que estamos vendo em nosso clima é no sentido negativo", disse ela.

Desde que o Papa Francisco lançou a encíclica, muitos projetos louváveis foram lançados. Perguntada por que ela acha que as irmãs religiosas podem fazer a diferença no processo em andamento, Ir. Maamalifar destacou sua abordagem holística.

Interconectividade

Como nos diz o Papa Francisco, ela disse, a mudança climática e a degradação ambiental não são apenas uma questão social, mas estão profundamente ligadas à fé e, como irmãs religiosas, a base de tudo o que elas fazem é a fé que lhes permite "conectar-se" com o Criador e com toda a Criação.

Há também a consciência, acrescentou ela, de que só nós "não estamos preparadas para lidar com esta situação porque ela é tão grande e não temos todo o conhecimento necessário para lidar com ela", disse ela, mas ao educar as irmãs para se envolverem com as comunidades de base - aquelas que são as mais afetadas pela mudança climática e pela perda da biodiversidade - pensamos que podemos gerar ações positivas que terão resultados concretos.

"Há muita discussão no topo, muitas resoluções, muitas promessas, mas no final, essas promessas não dão em nada, então as pessoas na base não estão mais acreditando nessas promessas", explicou Ir. Maamalifar.

Assim, o projeto prevê dotar as Irmãs de habilidades para que, por sua vez, elas possam trabalhar diretamente com as comunidades afetadas.

“Porque falar sozinho não traz resultados, precisamos de ações concretas.”

"Portanto, tivemos 44 irmãs que apresentaram projetos que vão implementar", disse ela sustentando dois exemplos, um no Sri Lanka que visa os jovens, e outro em Gana onde a seca afetou as colheitas e, finalmente, os alimentos "para as crianças".

Em ambos, ela explicou, é claro que o que acontece com o meio ambiente afeta diretamente a pessoa humana, e as Irmãs têm a capacidade de ter uma abordagem holística da questão que inclui o social, o ambiental e o espiritual - tudo isso crucial para os indivíduos, comunidades, nações e o planeta.

"Portanto, eles estão tentando manter estes três aspectos juntos para que possam se mover juntos, porque tomar uma direção sozinhos não é suficiente".
Irmã Maamalifar em entrevista à Linda Bordoni, no evento "Diálogo liderado pelas Irmãs"


Uma 'revolução' de pequenas ações

"Precisamos de pequenas coisas [e ações] que se tornem grandes", continuou a religiosa, para mudar o curso da tendência negativa que estamos testemunhando, e reiterando sua convicção de que a verdadeira "mudança vem da base", ela explicou que "aqueles que estão no topo não sentem o efeito do que está acontecendo agora".

A mudança, disse ela, virá daqueles que estão suportando o peso da mudança climática e da perda da biodiversidade "uma vez ajudados a entender por que estão sofrendo, o que está causando seu sofrimento e os capacitando a agir".


“Se as pessoas na base entenderem o que está acontecendo, podem se levantar e dizer: 'Já basta e isso vai parar'.”

As irmãs, ela concordou, estão liderando uma revolução: "não uma revolução com armas, não uma revolução com os braços, mas uma revolução em pequenas ações".

"Queremos que as pessoas saibam o que está acontecendo com elas e, portanto, que entendam, em primeiro lugar, e depois tomem medidas, ações que possam trazer transformação". Esta, explicou ela, "é a revolução que estamos liderando".

O exemplo dado pelo Papa Francisco

Ir. Maamalifar concluiu apoiando o exemplo fornecido pelo Papa Francisco: "Esse homem é uma inspiração para mim pessoalmente, e eu direi que ele é uma inspiração para todos os religiosos porque acho que seu entusiasmo e suas ações - ele não está apenas falando, mas está agindo - e isso é o que precisamos ver nos líderes"!

“Nada me deterá, porque ele não pára. Ele não pára em sua idade, em seu estado". Então o que deve me deter?”


Por Linda Bordoni - Vatican News



Comentarios


bottom of page