top of page

Padre Parolari, uma vida entre os doentes de Bangladesh

Padre Piero Parolari, vítima de um atentado em 2015, viveu grande parte de sua missão ao lado de pessoas com tuberculose atendidas no Abrigo de Enfermos do PIME, em Rajshahi. “Queríamos oferecer atendimento de qualidade até mesmo aos mais pobres”, diz ele.

Fotos: Regional Sul 2 da CNBB
Fotos: Regional Sul 2 da CNBB

"Acabei de cair da bicicleta." Com estas palavras o Padre Piero Parolari, 74 anos, fala hoje do ataque de que foi vítima no dia 18 de novembro de 2015, quando se dirigia ao hospital de Dinajpur, Bangladesh. A bala que o atingiu danificou seu nervo auditivo, causando problemas auditivos, mas entrou e saiu de seu pescoço sem danificar nenhum órgão vital.


«Mais um milímetro e eu não estaria aqui», Padre Parolari sabe bem disso, pois estudou medicina antes de se tornar padre. «Cheguei a Bangladesh pela primeira vez em 1985, não queria aprender a ser médico, vim para ser missionário». Mas, as coisas foram diferentes.


Durante dezesseis anos o missionário do PIME, originário de Lecco, trabalhou no “abrigo de doentes” de Rajshahi, fundado em 1980 pelo Padre Faustino Cescato juntamente com Irmã Silvia Gallina, freira de Maria Bambina. “Os doentes chegavam à cidade para serem tratados, mas não tinham onde ficar”, explica padre Parolari. “Alguns dos que chegaram das aldeias mais remotas até dormiram nas ruas”. Assim, o centro Rajshahi foi criado para dar até às pessoas mais pobres, que não podiam pagar pelo tratamento em clínicas privadas, a oportunidade de receber terapias e testes de qualidade. De imediato revelou-se uma solução vencedora, tanto que os padres do PIME posteriormente a replicaram em outras missões. Ainda hoje as freiras acompanham os pacientes nas visitas e os missionários têm contato frequente com médicos e enfermeiras locais. Mesmo sendo religiosos cristãos em um país muçulmano. «Houve períodos mais complicados, durante os quais os governos anteriores não foram a favor das minorias – continua o missionário – mas em geral sempre tivemos uma relação positiva com os profissionais de saúde e muitas vezes também criamos laços profundos de apreciação mútua».


Assim, ao chegar a Bangladesh, o Padre Parolari começou a visitar as aldeias habitadas principalmente por indígenas das áreas tribais para acompanhar o cuidado dos doentes, juntamente com a Irmã Gallina e o Padre Gianni Zanchi, que estavam no país desde 1975. Desde o início foi um trabalho em equipe: «Percorri as aldeias, o Padre Mariano Ponzinibbi treinou as freiras que trabalhavam nos dispensários, o Padre Zanchi geriu o trabalho e a Irmã Silvia foi o elemento carismático do grupo. Ela não era enfermeira, mas chamavam-na de “Madre Teresa de Bangladesh”. Depois de algum tempo, os missionários notaram uma categoria de pacientes abandonados à própria sorte: os pacientes com tuberculose. «Quem tinha diagnóstico muitas vezes não completava a terapia, que na altura durava um ano. Eles ficaram cronicamente doentes e ninguém cuidava mais deles."


O governo do Bangladesh também percebeu o problema e, em 1987, decidiu reunir todas as organizações não governamentais que tivessem capacidade para iniciar um programa de controle da tuberculose na área. Os missionários do PIME aceitaram a proposta e participaram do programa da Caritas de Bangladesh. Padre Parolari visitava os pacientes: «Tive que aprender a examinar o escarro com um microscópio à luz do sol, porque naqueles anos muitas aldeias não tinham eletricidade. Ou, quando perguntei a que horas veio a febre, responderam indicando o ponto onde estava o sol naquele momento, não me disseram a hora exata.” O que mais preocupava o médico e missionário, porém, não eram tanto as deficiências infraestruturais, mas sim os pacientes crônicos, que precisavam fazer radiografias, exames mais complexos e serem acompanhados por profissionais de saúde em seu processo de recuperação. Padre Parolari pensou então em dedicar uma seção do abrigo aos doentes de tuberculose: «Em 1990 construímos um novo centro ao lado do centro de doentes gerais», explica o missionário, que usa sempre o plural porque não gosta de «colocar-se no centro». Uma vez testado negativo, os pacientes poderiam ficar gratuitamente. «Nesses anos tínhamos uma excelente relação com o hospital público, para onde encaminhávamos os casos mais complicados».


A colaboração com o governo de Bangladesh durou dez anos, graças aos excelentes resultados obtidos pelos missionários. A situação melhorou ainda mais após a introdução, em 1993, de uma nova terapia contra a tuberculose de seis meses, denominada DOTs (sigla derivada do inglês 'directly observed treatment' - tratamento diretamente observado, de curta duração), que indica administração supervisionada e diária de medicamentos. Um sistema que havia sido iniciado há mais de dez anos na África por outra alma missionária, Annalena Tonelli. «Ela não era médico – diz Parolari – mas conseguiu implementar um programa piloto da Organização Mundial da Saúde. O amor inteligente vem antes da ciência e da medicina, esta é a minha teoria."


Para o missionário de Lecco a experiência do Abrigo de Enfermos foi transformadora: “Entretanto, mesmo depois de muitos anos em contato com pacientes com tuberculose, nunca adoeci, e isso por si só é um grande presente”, afirma o sacerdote. «Mas acima de tudo, a participação no programa governamental deu-nos a oportunidade de cuidar de pessoas doentes de todas as confissões religiosas. Colocar os outros no centro e dedicar uma atenção qualificada aos pobres também me ajudou a encontrar uma síntese entre a figura do médico e a do missionário. E o fato de não existirem unidades de saúde – continua Parolari – obrigou-me a ouvir os pacientes, a conhecer a sua história, mais do que se tivesse permanecido na Itália”.

Uma escuta que os pobres e marginalizados do Bangladesh nunca tinham recebido: «Um bispo do Bangladesh disse-nos que o centro para os doentes era muito bonito, e acrescentou que em Bangladesh ouvir os doentes já é uma terapia».


Depois de alguns anos de formação em Roma, o Padre Parolari foi destinado a Dinajpur, outra diocese, como Rajshahi, originalmente fundada por missionários do PIME. Por uma estranha reviravolta do destino, já conhecia o hospital local: «Em 1970, quando começava a estudar medicina, vim para o que ainda se chamava Paquistão Oriental numa viagem missionária em grupo. A experiência convenceu-me a tornar-me médico e comecei a contactar o hospital governamental de Dinajpur, mas três meses depois estourou a guerra", da qual nasceu o actual Bangladesh em 1971. Um país que nos últimos anos tem sido atormentado pela ameaça terrorista. Outros trabalhadores humanitários estrangeiros foram mortos alguns meses antes do Padre Parolari ser atingido. O missionário já havia tomado todos os cuidados, mudando de rota e tentando se manter discreto, mas não foi suficiente.


Quando foi baleado, não viu o agressor: “Afinal, não é tão difícil perdoar no meu caso, nem vi a cara deles”, comenta o missionário, que agora, quase dez anos depois, diz ele não tem mais medo. Um sentimento que ainda sentia mesmo depois do seu regresso a Itália: «Fui convencido a iniciar um curso de terapia quando recebi a notícia de que um terrorista do ISIS tinha sido morto pela polícia em Sesto San Giovanni em 2016». Mas o ataque em si, diz o médico-padre, «devolveu-me a vida. Quando oro hoje, as palavras assumem um significado ainda mais profundo. Acredito que o Salmo 18 é o que melhor se adapta à minha experiência: “Eles me atacaram no dia da angústia, mas o Senhor foi o meu amparo; ele me levou para o mar, ele me libertou porque me ama."


Por Alessandra De Poli - Mondo e Missione - tradução Valesca Montenegro - redação

 

Obrigado por ter lido este artigo. Se quiser se manter atualizado sobre Mundo, Igreja e Missão, assine a nossa newsletter clicando aqui



Comentarios


bottom of page