Phnom Penh, uma igreja para a cidade de Kampot, Camboja


Dedicada a Santo Agostinho, foi consagrada no dia 4 de junho pelo vigário apostólico Mons. Schmitthaeusler. O pároco Pe. Tavola missionário do PIME diz:

"Um sinal de maturidade para uma pequena comunidade: há vinte anos não havia sequer um católico aqui. Hoje nossa escola é frequentada por 200 crianças de todas as religiões. E aos domingos Khmer e vietnamitas assistem à missa juntos".
Créd. Asia News - Jovens em frente à paróquia

Um edifício que há vinte anos atrás não havia sequer um católico, hoje é uma Igreja reconhecida. Momento importante que a pequena comunidade católica de Kampot, cidade no sul do Camboja, de frente para o Golfo do Sião, não muito longe da fronteira com o Vietnã, vive neste momento.


Na vigília de Pentecostes do sábado, 4 de junho, o vigário apostólico de Phnom Penh, Mons. Olivier Schmitthaeusler presidiu a consagração da igreja de Santo Agostinho. Em um lugar que ele conhece muito bem: no início dos anos 2000 foi ele mesmo, como missionário das Missões Estrangeiras de Paris, junto com outro padre do vicariato, se instalou em uma casa em Kampot que logo se tornou um albergue para acolher meninos que vinham para a cidade da província de Kep para estudar. E é em torno dessa amizade que nasceu uma pequeníssima comunidade cristã que até hoje celebrou a Eucaristia numa ala daquela casa.

"A igreja de Santo Agostinho não pode acomodar mais de 150 fiéis. Mas é um importante sinal de maturidade”, afirma o atual pároco, pe. Gianluca Tavola, missionário italiano do PIME em Kampot desde 2009. "Sua presença física é uma forma de dizer a todos: é uma comunidade pequena e jovem, mas nós estamos aqui".

O Camboja é um país de grande maioria budista: dos 600 mil habitantes da área abrangida pelo "setor pastoral" de Kampot - um dos 9 em que se divide o vicariato apostólico de Phnom Penh - os católicos hoje são pouco mais de 300. Uma pequena semente, que está a germinar numa zona de profunda transformação, com o forte crescimento da atividade turística no litoral.


A igreja de Santo Agostinho - "um jovem convertido como tantos de nossos cristãos", comenta pe.Tavola - se tornará o coração que gira em torno da comunidade. No centro pastoral de Kampot completou-se também a construção do novo prédio da escola: um jardim de infância para crianças de 3 a 6 anos e para crianças do ensino fundamental até a sexta série. Há um total de 200 que o frequentam e na grande maioria dos casos são provenientes de famílias não cristãs.

Graças ao lockdown dos últimos meses, todas as inaugurações foram adiadas, então no dia 17 de junho também haverá o corte da fita para esta estrutura. No dia 3 de julho, a poucas dezenas de quilômetros de distância, na aldeia de Chumkirì - onde se ergue outra igreja, também incluída no setor pastoral de Kampot - será inaugurada a Casa da Caridade, outra estrutura construída com o apoio do PIME Fundação. Já em janeiro, as crianças doentes e deficientes serão atendidas aqui, incluindo as que sofrem de doenças mentais, serviço promovido pelos missionários de Maryknoll.


Mas há também outro fato interessante a destacar sobre a nova igreja de Kampot: "Junto com o pequeno grupo de cristãos Khmer - diz pe. Tavola -, na Missa dominical, três famílias de católicos vietnamitas vêm trabalhar aqui. Seis do nosso povo Khmer são em grande parte jovens, que chegaram à fé nos últimos anos e que ainda estão entrando na vida cristã, o grupo de vietnamitas têm uma fé mais sólida. Vistos juntos, eles são mais ou menos o mesmo número e - apesar das feridas da história recente - eles estão disponíveis um para o outro, eles se ajudam de bom grado. É um belo sinal para todos”.

Por Giorgio Bernardelli - AsiaNews - tradução e adaptação Valesca Montenegro