top of page

Sri Lanka, uma viagem através dos rastros da guerra civil

No norte, os danos causados pelo longo e sangrento conflito étnico entre tâmeis e cingaleses ainda são evidentes. Os jovens têm poucas perspectivas em um país onde o turismo só agora parece ter se recuperado, mas a economia ainda é muito frágil. O Jesuit Reconciliation Solidarity Sri Lanka (Reconciliação Jesuíta Solidária do Sri Lanka) procura oferecer oportunidades.



Ficar na ilha ou emigrar? Essa é a questão crucial enfrentada pelos jovens do Sri Lanka que mais sofrem com as consequências de uma economia em colapso e sem grandes perspectivas para eles. Nas áreas mais remotas, a Fundação MAGIS (Movimento e Ação dos Jesuítas Juntos pelo Desenvolvimento) está enviando ajuda, especialmente educacional, como uma oportunidade de permitir que as novas gerações escolham seu futuro com mais consciência e mais competência.


Mannar, local do primeiro martírio no sul da Ásia

Do Centro Satyodaya de Pesquisa social e o encontro, em Kandy, fundado há 53 anos, quando o primeiro-ministro do país era uma mulher (a primeira mulher no mundo a ocupar esse cargo institucional) e localizado em um verdadeiro oásis de paz que acolhe qualquer pessoa que queira passar algum tempo para restaurar o espírito e também mergulhar na história das missões jesuítas, o itinerário seguindo o presidente Ambrogio Bongiovanni continua para conhecer as realidades suportadas no antigo Ceilão. O destino é Mannar, no norte. Aqui, a vila de Tottaveli é lembrada pelo assassinato, em 1544, a mando do então rei Cankili, de seiscentos hindus que haviam se convertido ao catolicismo. Esse é considerado o primeiro martírio no sul da Ásia. Aqui, ainda hoje, há a maior concentração de cristãos do país. A Igreja da Rainha dos Mártires, construída no local do massacre, tem um complexo onde há duas valas comuns e se tornou um popular local de peregrinação.


Palmeiras, um recurso inatingível

A paisagem em direção ao extremo norte do Sri Lanka é um triunfo contínuo de palmeirais e arrozais. Essas árvores nativas eram a principal fonte de sustento da população, que extraía licores e xaropes das frutas. O governo, no entanto, começou a proibir essa atividade, deixando os moradores ainda mais de joelhos. O processamento da madeira de palmeira para fazer cercas, cabanas e móveis também foi bastante reduzido. Ainda é possível usar folhas de palmeira para a criação artesanal de vários tipos de utensílios, mas o mercado é mínimo. Portanto, essas pessoas tiveram que se reinventar trabalhando diariamente no campo para suprir as necessidades da vida, que são sempre muito poucas. Aqui estão as contradições já destacadas pela Laudato si': a pobreza e a injustiça social são exacerbadas quando a gestão dos recursos não beneficia os habitantes locais que não encontram alternativas suficientes para uma vida digna.


Vendedores ambulantes

Contradições socioeconômicas na agricultura

Este é um momento particularmente crítico para a agricultura do país: os agricultores enfrentam uma ameaça real à sua subsistência. Um novo elemento parece ter surgido com o programa do governo "Urumaya (herança) do presidente": desde 5 de fevereiro, a propriedade total dos campos foi concedida aos agricultores. Esse ato, no entanto, não é concedido para implementar a agricultura, mas apenas para o cultivo comercial para exportação. É uma tentativa de fazer com que os camponeses vendam a terra mais barato", diz o Movimento pela Terra e Reformas Agrícolas. Isso significa que as plantações de milho e banana, principalmente, devem se espalhar por milhares de acres, bem como "campos" de painéis solares ou pedreiras. São necessários investimentos enormes, portanto, na realidade, a circular presidencial é paradoxal para os agricultores, segundo informações locais, que, na verdade, estão sendo gradualmente afastados dessa atividade. O "Urumaya" em todo o país ainda atingirá 2 milhões de famílias de agricultores e tem um orçamento alocado para 2024 de 2 bilhões de rúpias para a implementação do programa.


Paradoxos ambientais

Toda vez que se cruza o Istmo de Mannar, é preciso passar por controles policiais posicionados aqui para evitar que carregamentos de drogas da Índia entrem no Sri Lanka. Os jesuítas trabalham em 48 vilarejos no Sri Lanka, dos quais cerca de 20 não são alcançados por nenhuma ONG. Visitar um dos vilarejos mais afastados da cidade de Mannar, com 85 famílias, significa explorar uma área sem infraestrutura básica, onde a condição pós-guerra civil de trinta anos atrás permaneceu. A ajuda da paróquia é garantida, mas as casas estão em estado deplorável e apenas alguns banheiros públicos compensam a falta de instalações sanitárias nas residências. As extensões de turbinas eólicas gigantescas na faixa de terra que se estende abaixo da parte sul da Índia são, por um lado, o símbolo de uma produção de energia sustentável projetada para o futuro e, por outro lado, também uma espécie de paradoxo, dado o contexto socioambiental que, na verdade, é privado desse vislumbre do futuro.


Padre jesuíta Robert, diretor do JRSS

Os sonhos de crianças e jovens

Normalmente, em uma família de quatro filhos, apenas um consegue continuar seus estudos. Professor, gerente de banco, enfermeiro, padre. Esses são os sonhos expressos pelos mais jovens nas salas de aula sóbrias, mas coloridas. Uma menina, entre as mais velhas que frequentam o Centro, diz que quer deixar o país feito de muitos sacrifícios: todos os dias, trinta quilômetros para ir à escola e, quando volta para casa, uma aldeia de 42 pessoas a espera, aldeia que vive com um pequeno poço para todos. "Talvez assim eu possa voltar ao Sri Lanka com mais maturidade", explica ela. Outra jovem prometeu à sua família que permanecerá aqui para promover a cultura tâmil.


Os rastros da guerra civil

"Vi com meus próprios olhos, nos cinco anos em que fui superior dos jesuítas em Mannar, os danos da guerra civil que ainda permanecem entre as pessoas muito abaladas", diz o padre Roy, o Sócio do atual provincial. Uma guerra de 25 anos que, segundo estimativas, tirou a vida de quase 100 mil pessoas. O conflito que ensanguentou o Sri Lanka teve origem na falta de reconhecimento de status igual ao dos cingaleses para uma grande comunidade tâmil estabelecida no nordeste do país. O ressentimento aumentou até a formação dos Tigres de Libertação do Eelam Tamil (LTTE), um grupo que optou pela secessão e pela luta armada, em 1976.


A pouco serviu a intervenção do exército indiano, que se retirou em 1990, enquanto milhares de muçulmanos eram expulsos das áreas do norte sob o controle do LTTE, que em 1991 foi culpado pelo assassinato do primeiro-ministro indiano Gandhi e, em 1993, pelo assassinato do presidente Premadasa. Em 2002, o governo e os rebeldes do LTTE assinaram um cessar-fogo mediado pela Noruega, mas no ano seguinte os combates recomeçaram. Foi somente em 2009, após um banho de sangue, que os Tigres foram derrotados, mas a questão tâmil estava praticamente resolvida.


Em 2012, a ONU pediu que o Sri Lanka investigasse os crimes de guerra supostamente cometidos durante a fase final do conflito com os Tigres, mas Colombo não cedeu. Em 2016, Colombo reconheceu pela primeira vez que cerca de 65 mil pessoas estão desaparecidas. Entre 2021 e 2022, a crise econômica se aprofundou, levando a tumultos nas ruas e à inadimplência total: o ex-heroi de guerra é expulso do país por protestos populares.


Jovens que frequentam o Centro Loyola

O trabalho do Jesuit Reconciliation Solidarity Sri Lanka

O Pe. Robert SJ, diretor do Jesuit Reconciliation Solidarity Sri Lanka, apoiado pelo MAGIS, explica as atividades desse presídio educacional, que oferece principalmente ensino de inglês para o povo tâmil: "Há muitas solicitações, mas só podemos atender até cem pessoas. Oferecemos uma espécie de pré-universidade, integrando também alguns elementos de ciência da computação e gráficos. Originalmente, as instalações eram de propriedade do JRS, que distribuía produtos básicos para os refugiados tâmeis; de certa forma, foram adaptadas para essa nova função". A generosidade dos professores e das mães das crianças também é surpreendente. Na paróquia, a desenvoltura de um padre e a capacidade marcante de animar grupos de jovens é uma força motriz para a comunidade católica, que justamente nos rituais e reuniões periódicas encontra um senso de pertencimento e uma razão importante para viver, para a redenção social e para a autoconsciência de seus direitos. "Queremos fazer chegar ao Papa Francisco nosso grito de alegria", diz ele, enquanto incentiva os pequenos a cantar hinos para o amado Pontífice.


Em Mannar, a saudação de um grupo de crianças ao Papa Francisco



A próxima parte desta reportagem, a última, voltará ao ponto de partida, em Negombo, perto da capital, na igreja de São Sebastião, onde há cinco anos os infames atentados à bomba na Páscoa tiraram a vida de 269 vítimas. Que justiça? Que caminho de diálogo está sendo construído no país?


Por Antonella Palermo - Mannar (Sri Lanka)


 

Obrigado por ter lido este artigo. Se quiser se manter atualizado sobre Mundo, Igreja e Missão, assine a nossa newsletter clicando aqui



Comments


bottom of page