top of page

Uganda: apelo de um sacerdote às negociações de paz para acabar com os massacres

Muitas pessoas inocentes continuam a morrer em uma guerra esquecida: é o que diz o padre Sunday Augustine Masereka, da diocese de Kasese, no oeste de Uganda, perto do local onde mais de 40 estudantes foram mortos em uma escola.


A dor das pessoas no local do ataque em Mpondwe, Uganda, na Escola Secundária Lhubirha. (AFP or licensors)

O ataque terrorista que ocorreu durante a noite de sexta-feira para sábado em uma escola secundária no oeste de Uganda deixou pelo menos 41 pessoas mortas, a maioria delas estudantes. Um número não especificado de jovens também foi sequestrado e pelo menos oito pessoas, gravemente feridas, foram hospitalizadas após sofrerem queimaduras quando os rebeldes incendiaram o prédio.

A polícia de Uganda atribuiu o massacre a militantes das Forças Democráticas Aliadas (ADF), um grupo com base no leste da República Democrática do Congo, que jurou lealdade ao Estado Islâmico.

Sobre a escola incendiada, bombas, armas e facas

O padre Sunday Augustine Masereka é responsável pelo escritório de comunicações da diocese ugandense de Kasese, muito próxima ao local do ataque. Ele disse ao Vatican News -Rádio Vaticano que a escola em Lhubirira, que tinha 62 alunos, foi atacada por volta das 23h de sexta-feira por rebeldes que cruzaram a fronteira próxima com a RDC. O ataque, segundo ele, foi horrível e envolveu o uso de bombas, queimando o prédio e seus ocupantes, e agredindo crianças e funcionários com armas e facas. O padre Masereka confirma as declarações das autoridades culpando os militantes da ADF e também confirma que se tratava de um grupo militante islâmico, já que um dos sobreviventes - uma mulher grávida - foi poupado porque, segundo os rebeldes, os muçulmanos não matam uma pessoa que está carregando uma criança.


Vítimas e terror tanto em Uganda quanto no Congo

De acordo com o padre Masereka, o motivo do ataque é a retaliação dos rebeldes contra as Forças de Defesa Popular de Uganda (UPDF), que os estão perseguindo no Congo para ajudar os soldados e o governo daquele país a combater os milicianos, enquanto eles mesmos estão "treinando no Congo para combater Uganda". A ADF tem perpetrado inúmeros ataques e assassinatos nos últimos anos, tanto em Uganda quanto no leste do Congo, e o sacerdote diz que as pessoas de ambos os lados da fronteira estão aterrorizadas. "Não faz nem duas semanas", acrescenta ele, "que eles vieram matar pessoas em Uganda; desta vez eles atacaram a escola e os estudantes, (...) e houve ainda mais assassinatos no Congo". Masereka relata que igrejas e padres também foram alvos de agressões.

Forças de paz da ONU no leste da RDC

Questionado sobre o apoio internacional na área, o padre Augustine responde que há forças da ONU no leste da RDC, mas que há um sentimento generalizado de que elas são, em grande parte, ineficazes.

"De acordo com os congoleses, eles não estão fazendo muito e muitas pessoas no Congo estão deslocadas", afirma. No Congo as pessoas estão sofrendo muito e até mesmo padres estão sendo mortos". A situação é realmente terrível, continua ele, e há muita necessidade de ajuda, "mas os que estão lá não estão ajudando muito. É por isso que as pessoas no Congo não se sentem muito à vontade com as Nações Unidas".

Apelo para negociações de paz

Graças à visita apostólica do Papa Francisco à RDC em fevereiro passado, os holofotes foram brevemente voltados para o sofrimento da população do país e, de acordo com o padre Masereka, sua mensagem de esperança e apoio chegou ao povo. O que é necessário, diz o sacerdote, é uma solução negociada, porque as pessoas continuam morrendo e a luta não resolve nada. Em vez disso, as conversações de paz reúnem os diferentes grupos para conversar, compartilhar e chegar a um acordo", enfatiza ele, "sem isso, as pessoas continuarão a morrer". Ele reitera: 'As armas não resolvem nada. As pessoas continuam morrendo".

Uma guerra esquecida

Padre Augustine conclui com um convite a todas as pessoas para que se envolvam com a oração no drama que se vive entre os dois países africanos, assim como a Igreja deve estar envolvida, e pede à mídia que levante a questão na imprensa internacional sobre essa guerra esquecida, porque as pessoas continuam a morrer no Congo, mas só se fala sobre isso quando um ataque é realizado. "É só então que se fala sobre isso", conclui amargamente o padre Masereka.


Por Linda Bordoni – Vatican News


Comentários


bottom of page