top of page

Missionárias da Imaculada: Um olhar de amor pela escola

Irmã Ancy Thomas, missionária da Imaculada - MdI, fala sobre sua experiência no Nirmala Bhavan, um instituto para meninas cegas no estado indiano de Karnataka.



É uma escola especial onde a Irmã Ancy Thomas, missionária da Imaculada Conceição na Índia, trabalha há vinte anos: chama-se Nirmala Bhavan e acolhe meninas cegas dos 10 aos 28 anos que "além de conduzir e pintar" - explica a freira - «conseguem fazer tudo de forma independente: leem e escrevem em braille, rezam, lavam a louça, aprendem a andar com uma bengala para cegos, tocam vários instrumentos, dançam».


A escola está localizada na vila de Athani, no estado de Karnataka, no sudoeste da Índia, que tem a maior taxa de casamento consanguíneo depois de Tamil Nadu. Por razões de casta e herança, as famílias muitas vezes casam suas filhas com primos de primeiro grau. “Os pais querem que a propriedade da terra permaneça dentro da família e, como em toda a Índia, evitam que seus filhos se casem com alguém de uma casta diferente”, explica a irmã Ancy. “Daí nascem crianças com deficiência, retardo mental ou outros problemas desses casamentos. Muitos são mesmo cegos e as meninas encontram-se numa situação de maior insegurança do que os rapazes".


Os meninos moram em outra estrutura administrada pelos Missionários Filhos do Imaculado Coração de Maria, mas se reúnem com as meninas para realizar algumas aulas ou atividades ao ar livre.


“Os pais lutam para deixar alguém cuidar de suas filhas porque, de acordo com a tradição hindu que acredita na reencarnação, uma filha deficiente é vista como um castigo divino. Nós, missionários da Imaculada Conceição, vamos às famílias e, falando a língua local, tentamos explicar-lhes que se trata de uma questão biológica e que no nosso instituto - gratuito - as meninas podem ter um futuro. Depois de visitar a nossa casa, eles se acalmam e ficam felizes em ver como cuidamos deles».

Embora os casamentos consanguíneos sejam uma prática comum entre todas as classes sociais, as meninas do Nirmala Bhavan quase todas vêm de ambientes de pobreza. Karnataka, de fato, ao contrário dos estados vizinhos do sul da Índia, ainda é "fortemente subdesenvolvida", diz a missionária, que é originária de outro estado do sul da Índia, Andhra Pradesh. “A maior parte da população não tem educação. São muitas fazendas, mas quem não tem nada vai de casa em casa e pede para lavar a louça em troca de um dinheirinho. Muitas crianças têm problemas de saúde também devido à desnutrição”. De acordo com os dados mais recentes do governo, de fato, apenas 3,6% das crianças entre seis e 23 meses em Karnataka recebem uma dieta adequada.



“O que nossas meninas pedem é que tenham uma oportunidade”, continua a irmã Ancy. “Às vezes alguns são rejeitados por suas famílias, mas não querem compaixão, querem poder estudar e trabalhar”. De fato, nas escolas estaduais, as pessoas com deficiência geralmente são deixadas em um canto e só levam comida para elas.

Na comunidade, porém, elas aprendem a ler, escrever, cozinhar, limpar, brincar, usar computador e fazer artesanato. "Vamos pensar em seu desenvolvimento físico e espiritual." Muitos já encontraram alojamento e trabalho em empresas de informática, no setor alimentar ou da moda. Em 2002 eram 26, agora estão em torno de quinze.


“Um menino acolhido pelos missionários chegou a ser professor universitário e agora ganha 80.000 rúpias por mês, o equivalente a pouco mais de 930 euros”, diz com orgulho a irmã Ancy. “Outra jovem que nos procurou quando já tinha 15 anos agora faz parte do time nacional de críquete para meninas cegas.”

“Essas meninas têm esperança, rezam e agradecem por serem aceitas e tratadas como seres humanos. Algumas nos dizem: 'Sem vocês poderíamos ter morrido'”. Em vez disso, em Nirmala Bhavan, tiveram uma segunda chance na vida.


“Nos reconhecem como irmãs pela voz ou pelo cheiro”, explica a freira. «E são extremamente inteligentes: assim que conhecem uma nova pessoa, lembram-se dela para sempre. Eles também têm uma grande sensibilidade: quando estamos doentes, eles se preocupam conosco, nos dizem para ir ao hospital porque têm medo de que, se morrermos, ninguém mais cuide deles”. Mesmo que não possam ser vistas, as meninas usam maquiagem para ocasiões especiais ou quando chegam visitas: «Querem ficar bonitas porque sabem que os outros podem vê-las. E se uma de nós irmãs põe pó, elas sentem logo», ri a Irmã Ancy ao contar estes fatos.

Como tudo começou...

A presença das Irmãs Missionárias da Imaculada em Athani teve início em 2000 e alguns anos depois nasceu a comunidade Nirmala Bhavan. “Às vezes alguém fica desconfiado e pergunta o que estamos fazendo, mas em geral nossa presença é bem-vinda”, diz a irmã Ancy. O Partido Bharatiya Janata, o partido hindu ultranacionalista do qual vem o primeiro-ministro Narendra Modi e que governa Karnataka, até agora nunca causou problemas para a comunidade de irmãs, porque as meninas de quem cuidam são todas hindus. "Apenas uma ou duas meninas são cristãs", explica a irmã Ancy. Para outras instituições, no entanto, incluindo as Missionárias da Caridade de Madre Teresa de Calcutá, o governo já bloqueou contas bancárias alegando problemas com a renovação da licença para operar no país. Delhi então voltou atrás porque, lutando para sustentar uma população de quase 1,5 bilhão de pessoas, precisa da presença de instituições de caridade. Mesmo que não sejam hindus. “Alguns moradores locais nos disseram que somente nós, cristãos, somos capazes de realmente cuidar dos deficientes”.


A decisão da irmã Ancy de se dedicar à vida consagrada veio quando era jovem. “Uma das minhas irmãs mais velhas já era freira – explica – e quando a vi toda vestida de branco pareceu-me um anjo: logo quis ser também”. A vocação missionária chegou pouco depois, quando no último ano do ensino médio a irmã Ancy assistiu a uma aula sobre o padre Damien, um missionário belga da Congregação dos Sagrados Corações de Jesus e Maria que no século XIX deu a vida pelos leprosos na Índia .


Mas a missionária, que trabalhou em outras comunidades antes de chegar a Athani, teve certa dificuldade em abordar as meninas cegas: “No começo eu ligava para elas, esperando que pudessem me encontrar imediatamente. Mas não é tão simples para os cegos. E eles estavam muito desconfiados. Demorei um pouco para me acostumar e entender como era. Para fazer isso, você tem que se colocar no lugar deles."


De verdade, não no sentido metafórico: os Filhos do Imaculado Coração de Maria que fundaram a missão andavam com um tapa-olho para entender o que significava não ver o tempo todo. “Quando entendi o que significava viver no escuro, comecei a sentir ainda mais amor e preocupação por eles. Às vezes estamos mal-humorados, infelizes, mas quando olho para essas meninas que estão felizes apesar de sua condição, não consigo sentir sentimentos negativos”.

Por Alessandra De Poli, tradução e adaptação Valesca Montenegro


Comentarios


bottom of page