A Igreja católica

No início, aos poucos, a difusão do Evangelho produzia pequenas comunidades. Essas se alastravam e deram origem às igrejas particulares. Fundadas pelos apóstolos, essas se reconheciam como porção de uma única Igreja, ligadas entre si na unidade de fé e na caridade. O centro de referência comum era o bispo de Roma, o papa, alicerçado na figura do apóstolo Pedro. E assim se definiu Igreja Apostólica, com extensão e abertura universais.



Igreja no Oriente e no Ocidente


♦ A história da Igreja está marcada por uma distinção fundamental. O latim era o idioma do império romano e, pouco a pouco, foi sendo substituída pela língua grega na administração imperial. Desse modo, o desenvolvimento histórico fez com que a Igreja católica e apostólica adquirisse duas fisionomias unidas pela doutrina, mas com disciplinas diferentes.


♦ Enquanto a Igreja latina se desenvolvia ao redor do bispo de Roma, a oriental adquiria uma fisionomia local, alicerçada na figura do bispo diocesano em comunhão com os demais bispos. A Igreja formada pelas comunidades unidas ao bispo de Roma se autodomina Igreja Apostólica. As do Oriente se reconhecem como Igrejas católicas ortodoxas (“ortodoxo” significa “verdadeiro”)


♦ “A Igreja se torna mãe pela pregação e pelo batismo. Para a vida nova e imortal ela gera os filhos concebidos do Espirito Santo e nascidos de Deus” (Lumen Gentium, 64). Quer dizer: os homens se tornam filhos de Deus em virtude da divina palavra, acolhida na fé e em virtude do rito batismal.


♦ Mas esta Palavra divina, esta fé, não nos chegam a não ser enquanto somos possuídos antecipadamente pela Igreja onde Cristo está vivo e operante na realidade da comunhão eclesial. Uma realidade que nos precede, à qual somos convidados a nos abrir, para que também em nós se acenda a vida nova.


♦ Na Igreja encontramos a Virgem Maria. A fé dela se une à dos Apóstolos e dos primeiros discípulos, contribuindo para animar a fé da primeira comunidade cristã, em virtude da efusão do Paráclito (Espírito Santo - At.1,14). Ninguém colaborou para acender nela a vida sobrenatural: tudo nela proveio somente de seu Filho, que enviou também sobre ela o seu Espirito.


♦ A Igreja é sinal do Reino de Deus, o sacramento universal de salvação. A caraterística peculiar do sacramento é encontrar e unificar a ação do homem e a ação de Deus: é o encontro da fraqueza humana com a potência divina. Esse sacramento realiza a presença de Deus, mesmo que haja faltas e contradições nas quais é revestido. “Eis que estou convosco todos os dias até a consumação dos séculos” (Mt 28,20)


REFLEXÕES para a catequese


A diocese é a Igreja católica local, guiada pelo bispo, sucessor direto dos apóstolos, pois, pela sua Ordenação episcopal se torna um elo da corrente universal dos bispos, todos ligados a um dos apóstolos.


+ Os bispos receberam a missão de santificar, ensinar e governar o povo de Deus a eles confiado no âmbito de uma circunscrição definida (diocese, arquidiocese ou prelazia).


+ A Igreja é formada por leigos e pelo clero, que é constituído por "ministros consagrados que receberam o sacramento da Ordem", baseada em três graus: episcopado, presbiterado e diaconato.


+ A maioria dos membros da Igreja católica são leigos, que têm a missão de testemunhar e difundir o Evangelho, bem como uma vocação própria de procurar o Reino de Deus, iluminando e ordenando as realidades temporais segundo Deus, correspondendo ao chamamento à santidade e ao apostolado, dirigido a todos os batizados. Eles também podem participar das mais diversas formas no governo e administração das suas igrejas locais, segundo as disposições hierárquicas. A origem da palavra leigo vem do grego "Laos theon", que significa o "Povo de Deus".


+ As pessoas consagradas, que podem ser leigos, religiosos ou clérigos, normalmente se agrupam em ordens religiosas ou em institutos seculares. Há também aqueles que vivem isolados ou em comunidade aberta, junto dos outros leigos não-consagrados. Eles decidiram tomar uma vida consagrada de modo especial a Deus com a profissão dos conselhos evangélicos: castidade no celibato, pobreza e obediência". Entre essas pessoas, algumas aceitam levar uma vida de clausura monástica ou conventual.


+ As igrejas orientais, quer católicas (ligadas ao papa), quer ortodoxas, possuem exatamente o mesmo conceito de episcopado. O bispo que governa uma diocese oriental é chamado de eparca.


Por Pe. Gianframco Vianello, PIME